Você está aqui:

Notícias

Egressos grafitam muros do Parque Municipal

Egressos do socioeducativo grafitam muros do Parque Municipal, em BH

Jovens acompanhados pelo programa Se Liga!, do Governo de Minas Gerais, coloriram muros do cartão-postal da capital

 

Que o Parque Municipal Américo Renné Giannetti, localizado na região central da capital mineira é bonito, todo belo-horizontino já sabe. Mas o grafite pode deixar o que já é cartão-postal ainda melhor. Foi isso que aconteceu com alguns muros do local quando 18 adolescentes que participam do Programa Se Liga, do Governo de Minas Gerais, executado via Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), grafitaram o que estava cinza e trouxeram colorido e vida para espaço.

Os jovens, da faixa etária de 15 a 20 anos, se reuniram, na terça e na quarta-feira (20 e 21/6), para a realização de uma atividade de intervenção urbana proporcionada pelo programa, com o objetivo de fazer com que eles circulassem pelos espaços da cidade e se sentissem pertencentes a estes ambientes.

A coordenadora regional do Se Liga – programa desenvolvido pela Subsecretaria de Atendimento Socioeducativo (Suase) da Sesp -, Rafaela Pereira Costa, reforça o tom da iniciativa. “É importante que estas pessoas, que já passaram por uma medida socioeducativa, comecem a perceber que eles fazem parte da cidade e que podem deixar marcas positivas nos espaços e contribuir para a revitalização destes locais”, ressalta.

O grafite foi um pedido dos jovens. O grupo, formado por meninos e meninas, passou a tarde dos dois dias, no parque, preparando os muros e pensando na arte a ser exposta. Guilherme de Paula, por exemplo, é um dos participantes. “Nunca tinha pintado. É a primeira vez que faço isso. O professor explicou bem a técnica e acredito que para o parque traz uma vida uma nova”, destaca.

O jovem Breno Augusto também participou da grafitagem pela primeira vez. “Eu gostei demais. Achei legal o Se Liga proporcionar este aprendizado para a gente. Vou querer fazer mais vezes”, diz.

O oficineiro, Vagner Luiz da Silva, 39 anos, é grafiteiro profissional e trabalha com adolescentes nas casas de semiliberdade e no Programa Fica Vivo!, ambos da Sesp. Foi ele quem acompanhou o grupo e ensinou as técnicas iniciais.

Para Vagner, a oportunidade de fazer arte por meio do grafite é ideal para este público, porque a maioria dos jovens vem de uma cultura do funk, do aglomerado - e a expressão desta realidade fica nítida no grafite. “No parque, escolhemos trabalhar a arte abstrata, algo leve, por ter muita criança frequentando. Escolhemos formas geométricas pra combinar com o local e com a estrutura do entorno”, explica.

 

Programa Se Liga

Atualmente, 148 adolescentes são acompanhados pelo Programa Se Liga. Eles são de Belo Horizonte, da Região Metropolitana e de Sete Lagoas. O objetivo do programa é contribuir para a sustentação ou continuidade de projetos desenvolvidos durante o cumprimento da medida, auxiliando na construção de novas oportunidades para os jovens.

O programa contribui para o processo de fortalecimento de vínculos comunitários, familiares e sociais, buscando, preferencialmente, utilizar os equipamentos disponíveis da rede de atendimento, conforme estabelecido no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).
 

Notícias relacionadas

18/05/2017

Dos US$ 976 milhões, Minas já recebeu US$ 195,5 milhões. Outros US$ 150 milhões estão em processo de solicitação e devem ser internalizados em janeiro próximo. A parcela para liberação no ano que vem é de R$ 390 milhões, enquanto que, em 2010, deverão ser liberados US$ 222 milhões.

Minas Gerais lança a campanha “Vamos juntos dar um basta ao trabalho infantil”
12/06/2017

O Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado do Trabalho  e Desenvolvimento Social, lançou nesta segunda-feira (12/6), a campanha “Vamos juntos dar um basta no trabalho infantil”. A estratégia, apresentada na data em que se celebra o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil.

Projeto leva conhecimento agroecológico a jovens de centro socioeducativo do Estado
13/06/2017

O mundo dos menores abrigados em instituições socioeducativas -- após a prática de atos infracionais -- pode ser menos sofrido, mais produtivo e capaz de ajudar na ressocialização. A privação de liberdade como medida socioeducativa está prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).