Você está aqui:

Notícias

SES-MG promove seminário sobre dengue, zika, chikungunya

SES-MG promove seminário sobre enfrentamento da dengue, zika, chikungunya e febre amarela

Proposta da programação, realizada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde, é debater desafios e estratégias para as ações de vigilância

 

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) iniciou, nesta terça-feira (18/12), em Belo Horizonte, o Seminário Estadual sobre Arboviroses. O evento, que segue até a próxima quinta-feira (20/12), tem como objetivo traçar uma retrospectiva sobre os casos de dengue, zika, chikungunya e febre amarela nos últimos anos, além de discutir possíveis cenários futuros e desafios que impactam nas ações de vigilância em todo o estado.

Participam do evento gestores e técnicos dos 101 municípios-sede de microrregiões de saúde, das Regionais de Saúde do estado e equipe de transição, além de representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e Ministério da Saúde.

Durante a programação, estão sendo discutidos temas relacionados ao enfrentamento das arboviroses, como controle vetorial do aedes, desafios da assistência aos pacientes, organização dos serviços de saúde e pesquisas sobre febre amarela.

Na abertura do evento, o secretário-adjunto da SES-MG, Daniel Medrado, destacou a importância da mobilização social no controle das arboviroses.

“O estado enfrentou a febre amarela colocando suas equipes à disposição, elevando as coberturas vacinais para 92%. E a mobilização social é fundamental nesse processo. Afinal, só conseguiremos seguir no controle das arboviroses se tivermos uma interação com a sociedade”, afirmou.

Na sequência, o subsecretário de Vigilância e Proteção à Saúde da SES-MG, Rodrigo Said, falou sobre a importância de um trabalho conjunto entre Estado e municípios para o enfrentamento das arboviroses.

“O debate e a troca de conhecimentos são fundamentais para os desafios que temos pela frente, incluindo como parceiros os municípios, Fiocruz e Ministério da Saúde. Sabemos que é preciso estar em alerta para o crescimento do número de casos das arboviroses, especialmente a partir de agora, após o período de chuvas. Em relação à febre amarela, a circulação de pessoas devido ao Natal e réveillon também deve ser observada com atenção”, explicou.

O presidente do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde (Cosems-MG), Eduardo Luiz da Silva, também destacou a necessidade de envolvimento da população no enfrentamento ao Aedes aegypti.

“Precisamos criar novas estratégias de enfrentamento ao Aedes, para que a população assuma a responsabilidade para cuidar da própria saúde. Se cada um fizer a sua parte no controle dos focos, por exemplo, teremos um grande avanço no enfrentamento da dengue, zika e chikungunya”, disse.

 

Discussões

Entre os assuntos abordados no primeiro dia do seminário esteve o avanço da dengue, incluindo reflexões sobre o perfil de comportamento do vírus ao longo do tempo.

Conforme esclarecido pela referência do Programa Nacional de Controle e Prevenção das Doenças Transmitidas pelo Aedes do Ministério da Saúde, Sulamita Brandão, os primeiros relatos de epidemias da doença no país são de 1846, nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

“Ainda que tenhamos relatos de 1846, somente entre 1981 e 1982 é que a primeira epidemia de dengue foi confirmada laboratorialmente, em Boa Vista, Roraima”, explicou.

Em relação à circulação do vírus da dengue em Minas Gerais, observa-se, de 2011 a 2018, registros dos quatro sorotipos da doença (1, 2, 3 e 4), com prevalência do sorotipo DENV 1. Em 2018, entretanto, pela primeira vez foi registrada a prevalência do sorotipo DENV 2, o que pode levar a um aumento no número de casos, já que a população está mais suscetível a ele.

Para a superintendente de Vigilância Epidemiológica, Ambiental e Saúde do Trabalhador da SES-MG, Rejane Letro, a circulação do sorotipo DENV 2 pode ser motivo de alerta. “É fundamental que os serviços de saúde se preparem, afinal, sabemos que o sorotipo 2 causa uma maior manifestação em crianças”, afirmou.

Clique aqui e acesse o último boletim epidemiológico de dengue, zika e chikungunya.

 

Índices de infestação do aedes (LIRAa/LIA)

Os índices de infestação do Aedes no estado também entraram na pauta do primeiro dia do seminário. O Levantamento de Índice Rápido para Aedes aegypti (LIRAa) e o Levantamento de Índice Amostral (LIA) são métodos de amostragem e mapeamento dos índices de infestação por Aedes aegypti e Aedes albopictus nos municípios mineiros.

No último levantamento realizado, 831 municípios enviaram informações (dados preliminares). Destes, 7,22% estão em situação de risco com alto índice de infestação do Aedes, 35,25% estão em situação de alerta e outros 57,52% estão em situação satisfatória. Em relação aos criadouros do mosquito, dos 831 municípios, 468 possuem depósitos de água com focos do Aedes, 401 depósitos domiciliares e 367 apresentaram focos em lixo.

“Temos, em todo o estado, municípios com focos do Aedes. Sabemos que, sem o depósito, não há a proliferação das doenças transmitidas por ele. Por isso, precisamos trabalhar as informações do LIRAa/LIA junto à população, com o objetivo de reduzir os focos”, explicou a superintendente Rejane Letro.

 

Febre amarela

Outro tema debatido foi o monitoramento da febre amarela . De 1989 a 2009 foram registrados 110 casos confirmados da doença em todo o estado. Já no primeiro período de monitoramento da doença, 2016/2017 (primeira onda), foram 475 casos confirmados e, no segundo período de monitoramento da doença, 2017/2018 (segunda onda), outros 527 casos confirmados.

Os dois primeiros períodos de monitoramento da doença no estado, em 2016/2017 e 2017/2018, ocorreram em áreas distintas do estado. A epidemia do período de 2016/2017 esteve focada principalmente nos Vales do Rio Doce e Mucuri e em parte da Zona da Mata e Jequitinhonha. Já no período de 2017/2018, as principais áreas atingidas foram a Região Metropolitana de Belo Horizonte, Zona da Mata e parte das regiões Campos das Vertentes, Oeste e Sul/Sudoeste mineiro.

Contudo, nenhum município com registro de caso confirmado da doença no período 2016/2017 voltou a apresentar novos casos no período 2017/2018, o que mostra a importância do trabalho realizado pelo estado e municípios no controle da febre amarela, especialmente em relação à vacinação da população.

Houve, ainda, uma redução da letalidade da doença de um período para o outro. A taxa de letalidade no primeiro 2016/2017 foi de 34,10% e, no período 2017/2018 foi de 33,50%.

 

Imunização

No ano passado, foram distribuídas, ao todo, 9,8 milhões de doses da vacina contra a febre amarela. Em 2018, foram 3,9 milhões de doses. O Estado de Minas Gerais, em sua totalidade, é área com recomendação para vacinação da febre amarela desde o ano de 2008. A vacina é indicada a partir dos nove meses de idade, de acordo com o Calendário Nacional de Vacinação.

A meta é alcançar cobertura vacinal de pelo menos 95% da população elegível no estado. Contudo, atualmente, a cobertura vacinal acumulada de febre amarela em Minas está em torno de 91,11%, com uma estimativa de 3,1 milhões de pessoas não vacinadas.

A superintendente Rejane Letro, reiterou a necessidade de comparecimento da população aos postos de saúde para se vacinar, compromisso que integra as ações contínuas de enfrentamento à doença.

“O aumento da cobertura vacinal está entre os desafios no controle da febre amarela e, por isso, é fundamental uma integração e articulação das ações com a Atenção Básica à Saúde. Além disso, temos ações envolvendo os eixos de gestão, vigilância, assistência e comunicação”, disse. 

Notícias relacionadas

Campanha Nacional de Multivacinação vai até dia 22 de setembro
14/09/2017

Em Minas Gerais, será ofertada também a vacina contra febre amarela para as pessoas a partir de 9 meses de idade até 59 anos, que ainda não se vacinaram. O Ministério da Saúde preconiza pelo menos uma dose da vacina da febre amarela ao longo da vida.

Reconhecido pela relevância do trabalho que vem sendo prestado desde 2011, quando foi criado, e por ser o serviço com maior número de crianças assistidas no Brasil, o Sait participou da elaboração do I Consenso Nacional na Assistência às Crianças Traqueostomizadas.
21/09/2017

Reconhecido pela relevância do trabalho que vem sendo prestado desde 2011, quando foi criado, e por ser o serviço com maior número de crianças assistidas no Brasil, o Sait participou da elaboração do I Consenso Nacional na Assistência às Crianças Traqueostomizadas.

Modernizar o processo de trabalho é um dos desafios da Vigilância em Saúde
27/09/2017

O primeiro debate do dia, no sub eixo 1, contou com a apresentação do diretor adjunto da Anvisa, Pedro Ivo Sebba Ramalho, que trouxe um panorama histórico da Vigilância em Saúde, no Brasil e no mundo, propondo reflexões acerca do marco geral, os desafios e propostas dos serviços no âmbito do SUS.