Você está aqui:

Notícias

Estado garante atendimento às vítimas de Janaúba

Governo do Estado garante atendimento às vítimas de Janaúba após a tragédia

Secretaria de Estado de Saúde tem planejado ações para atendimento ambulatorial às vítimas

 

Passadas as fases de urgência e emergência e de internação hospitalar, agora é o momento do Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG), planejar e executar as ações de atendimento ambulatorial às vítimas da tragédia ocorrida numa creche em Janaúba, no último dia 5 de outubro.

Para tanto, a SES-MG recebeu, esta semana, o apoio de uma equipe multidisciplinar, formada por médicos, fisioterapeutas e enfermeiros, vinda de Santa Maria, do estado do Rio Grande do Sul. Essa mesma equipe atendeu às vítimas de queimaduras e intoxicação por inalação de fumaça durante incêndio da boate Kiss, tragédia ocorrida em 27 de janeiro de 2013, em Santa Maria, quando cerca de 240 pessoas morreram e 680 ficaram feridas.

 

Experiência

O Subsecretário de Políticas e Ações de Saúde da SES-MG, Homero Souza Filho, explica que o objetivo em trazer a equipe gaúcha foi treinar os profissionais do Centro Estadual de Atenção Especializada (Ceae) e de toda a Atenção Primária de Janaúba, de acordo com o protocolo de Santa Maria, documento com diretrizes de atendimento às vítimas da boate Kiss, que orienta sobre tratamento de vítimas de queimadura e de intoxicação por inalação de fumaça de incêndio.

Para o secretário de Estado de Saúde, Sávio Souza Cruz, a experiência trazida pela equipe é fundamental para que a SES-MG, juntamente com o município de Janaúba, dê continuidade à assistência às vítimas de Janaúba nos próximos anos.

“Depois que a SES-MG prestou os atendimentos mais complexos de urgência e emergência, transferiu os pacientes para os hospitais de referência em queimados, em Belo Horizonte e Montes Claros, tudo com o apoio do governador Fernando Pimentel, agora, é o momento de planejarmos e oferecermos assistência às vítimas e aos seus familiares para os próximos anos. A equipe que assistiu às vítimas da boate Kiss, em Santa Maria, pode nos orientar muito nesse trabalho, trazendo sua experiência”, afirmou Souza Cruz.

Nesse sentido, acrescentou a gerente de Atenção à Saúde do Hospital Universitário de Santa Maria, Sueli Guerra: "encontramos o município de Janaúba e a Secretaria de Estado de Saúde com um entrosamento muito respeitoso, muito afinado. Os questionamentos de ambos, nessa terceira fase de atendimento às vítimas referem-se à 'Como elas chegarão? Com quais necessidades? Do que precisamos para recebê-las?' É isso que estamos fazendo aqui, orientando-os nessas respostas, com base na nossa experiência na tragédia da boate Kiss."

Essa terceira fase do tratamento, o atendimento ambulatorial das vítimas, deverá focar o tratamento das queimaduras e intoxicação por inalação da fumaça do incêndio, conforme explicou Sueli Guerra.

 

Agilidade no atendimento

"Verificamos que a primeira abordagem, mesmo com as dificuldades restritas ao atendimento à criança, que sempre é uma área muito mais especializada, foi muito efetiva. O Sistema Único de Saúde (SUS) funcionou, deu o suporte básico e avançado necessário para que essas crianças chegassem a um local adequado para receber o tratamento intensivo. Todo o apoio do Estado foi percebido como uma resposta altamente positiva pela nossa equipe”, destacou Sueli.

“O apoio que o Estado nos deu, desde o primeiro momento, com a presença em Janaúba desde o dia da tragédia, tem sido fundamental. E, agora, a equipe de Santa Maria vem acrescentar, trazendo todo o seu conhecimento para que possamos dar os primeiros passos no tratamento dos pacientes de intoxicação por inalação de fumaça com mais segurança”, afirmou a secretária Municipal de Saúde de Janaúba, Cecília Freitas.

 

Articulação entre os hospitais

O Governo de Minas Gerais, por meio da SES-MG, tomou uma série de medidas para disponibilizar leitos nos hospitais estaduais para não deixar as vítimas desassistidas, de acordo com a subsecretária de Regulação em Saúde, Wandha Karine dos Santos.

“Foram disponibilizados mais leitos no hospital João XXIII, em Belo Horizonte, para receber as vítimas de queimadura e uma enfermaria para receber as crianças foi montada em poucas horas. Os pacientes infantis que já estavam no João XXIII - em situação estável e com condições de transferência -, no Centro Geral de Pediatria, foram transferidos para outros hospitais pediátricos para que o Centro recebesse exclusivamente as vítimas de Janaúba”, explicou Wandha.

O fluxo do João XXIII, ainda segundo a subsecretária, também foi desviado, para evitar a superlotação e deixar os leitos disponíveis para as vítimas da tragédia. O mesmo aconteceu com o Odilon Behrens, referência em traumas, que teve o seu fluxo alterado. Tais ações só foram possíveis graças a uma articulação entre as centrais de regulação do Estado e do município de Belo Horizonte.

Em Montes Claros, a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica da Santa Casa, hospital também referência em vítimas de queimaduras, a exemplo do que aconteceu em Belo Horizonte, teve seu fluxo desviado para os demais hospitais infantis da região, a fim de disponibilizar leitos para as vítimas. "O Estado agiu muito rápido. A ação articulada das instituições envolvidas fez a diferença no atendimento às vítimas", concluiu Wandha.

Notícias relacionadas

ES-MG reforça importância da imunização contra o sarampo
19/06/2017

A circulação do sarampo no Brasil, desde o ano passado, foi considerada interrompida pela Organização Pan-Americana de Saúde/Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS). Isso porque os últimos casos da doença no país foram registrados em julho de 2015, em um surto no Ceará.

Seplag aprova pedidos de nomeação da Unimontes para os concursos de Professor e Médico Universitário
04/07/2017

O Governador já nomeou 501 candidatos do concurso público para Professor da Unimontes, que corresponde a 91,75% do total de vagas. Entre o final de maio e o início de junho deste ano, foram publicados os atos da Reitoria da Unimontes que autorizam a prorrogação por mais dois anos da vigência.

 Governo de Minas Gerais e Fiocruz discutem projetos para o Estado
07/07/2017

Uma das ações previstas é a implantação de empreendimento fabril no campo de biotecnologia em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Para isso, foi acertada uma parceria para instalação de uma fábrica a partir de pesquisas de novos produtos desenvolvidos pela Fiocruz Paraná.