Você está aqui:

Notícias

Estado realiza mobilização para a campanha Setembro Verde

Estado realiza ações de mobilização para a campanha Setembro Verde

Por meio de parcerias com empresas e entidades parceiras, foram distribuídas mais de 14 mil unidades de material informativo para diversos pontos do estado

 

Durante todo o mês de setembro, o Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), realizou ações para mobilizar a população sobre a importância da doação de órgãos.

As ações integraram a Campanha “Setembro Verde” e contaram com o apoio de uma rede de parceiros da SES-MG, que realizaram atividades para incentivar as pessoas a refletirem sobre o tema, conversando com seus familiares e amigos sobre o assunto.

Como parte da campanha, a secretaria distribuiu, até o momento, 14.050 flyers e 104 cartazes sobre doação de órgãos para empresas, entidades e instituições parceiras.

Entre elas estão igrejas, líderes comunitários, o Shopping Cidade, Mercado Central, CBTU, Polícia Rodoviária, América Futebol Clube, Vilma Alimentos, Transamigos, Senai Betim, Casa Sol, Associações (APABB),  Cassi, Construtoras, Epamig, Funed,  Sindicatos e Viação Sertaneja.

Sobre as parcerias entre diferentes instituições e a SES-MG, a referência técnica do Núcleo Estadual de Mobilização Social, Susan Prado Aun, explica que os parceiros recebem os materiais da campanha e organizam pequenas ações de conscientização.

“Muitos fazem palestras, outros cafés, ou mesmo divulgam nossas campanhas em sua mídia social, nos colocando à disposição todos os espaços possíveis. Ou seja, eles adequam a campanha à sua realidade, o que faz com que a ação de conscientização seja potencializada”, afirma. 

A empresa Transamigos, que presta serviços de engenharia e mineração, foi uma das parcerias da SES-MG na campanha.  De acordo com a técnica em segurança do trabalho da empresa, Mariana Paula Miranda, foi realizado um bate papo com os funcionários sobre a doação de órgãos, além da disponibilização do material informativo encaminhado pela SES-MG.

“Muita gente não tem informações básicas sobre o assunto e, por isso, percebemos que no momento da abordagem e da divulgação do tema, alguns ficaram receosos. Mas quando explicamos sobre a importância da doação de órgãos e que é só deixar a família informada, as pessoas ficaram mais tranquilas e interessadas no assunto”, explica. 

Além da parceria com empresas e instituições parceiras, também foi distribuído material da campanha para as cinco Regionais de Saúde do estado onde existem unidades de Captação e Distribuição de Órgãos e Tecidos (CNCDOs).

São elas Governador Valadares, Juiz de Fora, Montes Claros, Pouso Alegre e Uberlândia. Alguns prédios de instituições parceiras também receberam iluminação verde ao longo do mês de setembro.

Como parte da campanha também foram afixados cartazes em estações de metrô e espaços da Cidade Administrativa. O Grupo de Teatro Saúde em Cena também participou da campanha, com a apresentação do espetáculo “Gostas da Paixão” na Escola Estadual Professora Henriqueta Lisboa no Bairro Jardim Vitória, em Belo Horizonte.

Além das ações com instituições e distribuição de materiais, a SES-MG realizou, durante todo o mês de setembro, uma série de publicações nas redes sociais (Facebook e Instagram) e também no Blog da Saúde MG. Também foi criado o hotsite Doe Órgãos, com informações sobre a doação de órgãos.

 

Ação na Cidade Administrativa

Para fechar a campanha, a SES-MG promoveu nesta quarta-feira (27/9), Dia Nacional de Doação de Órgãos, uma ação junto aos servidores da Cidade Administrativa, com entrega de material informativo, adesivos, panfletos e botons.

A atividade é resultado de uma parceria com o MG Transplantes, banda do Corpo de Bombeiros, Doutores Palhaços e Associação dos Pacientes Receptores Doadores e Transplantados de Órgãos e Tecidos (Amparus).

De acordo com o coordenador do complexo MG Transplantes, Omar Lopes Cançado Júnior, ações de mobilização como esta são importantes para incentivar as pessoas a conversarem sobre o assunto e tirarem suas dúvidas.

“A doação de órgãos só existe se a família permitir, por isso precisamos explicar para as pessoas que a doação é segura e só ocorre após o diagnóstico definitivo de morte encefálica. Além disso, a doação não deixa nenhuma marca visível no corpo”, explica.

Já para Álvaro Antônio Trevizani, membro da Amparus, é fundamental que toda a população receba o máximo de informações sobre a doação de órgãos, incluindo aqueles que precisam passar por um transplante.

“A nossa missão básica é a conscientização, porque sabemos que ainda há falta de conhecimento. Há quatro anos realizei um transplante de rim e hoje fazemos um trabalho de conscientização para pacientes renais, sobre o que é receber e doar órgãos”, explica.

Para ser um doador, o passo principal é informar o desejo à família. Isto porque, após o diagnóstico de morte encefálica, a família é consultada e orientada sobre o processo de doação de órgãos.

Esta conversa, geralmente, é realizada pelo próprio médico do paciente, pelo médico da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ou pelos membros da equipe de captação, que prestam todas as informações que a família necessitar.

Notícias relacionadas

Campanha Nacional de Multivacinação vai até dia 22 de setembro
14/09/2017

Em Minas Gerais, será ofertada também a vacina contra febre amarela para as pessoas a partir de 9 meses de idade até 59 anos, que ainda não se vacinaram. O Ministério da Saúde preconiza pelo menos uma dose da vacina da febre amarela ao longo da vida.

Reconhecido pela relevância do trabalho que vem sendo prestado desde 2011, quando foi criado, e por ser o serviço com maior número de crianças assistidas no Brasil, o Sait participou da elaboração do I Consenso Nacional na Assistência às Crianças Traqueostomizadas.
21/09/2017

Reconhecido pela relevância do trabalho que vem sendo prestado desde 2011, quando foi criado, e por ser o serviço com maior número de crianças assistidas no Brasil, o Sait participou da elaboração do I Consenso Nacional na Assistência às Crianças Traqueostomizadas.

Modernizar o processo de trabalho é um dos desafios da Vigilância em Saúde
27/09/2017

O primeiro debate do dia, no sub eixo 1, contou com a apresentação do diretor adjunto da Anvisa, Pedro Ivo Sebba Ramalho, que trouxe um panorama histórico da Vigilância em Saúde, no Brasil e no mundo, propondo reflexões acerca do marco geral, os desafios e propostas dos serviços no âmbito do SUS.