Você está aqui:

Notícias

Estado realiza mobilização para a campanha Setembro Verde

Estado realiza ações de mobilização para a campanha Setembro Verde

Por meio de parcerias com empresas e entidades parceiras, foram distribuídas mais de 14 mil unidades de material informativo para diversos pontos do estado

 

Durante todo o mês de setembro, o Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), realizou ações para mobilizar a população sobre a importância da doação de órgãos.

As ações integraram a Campanha “Setembro Verde” e contaram com o apoio de uma rede de parceiros da SES-MG, que realizaram atividades para incentivar as pessoas a refletirem sobre o tema, conversando com seus familiares e amigos sobre o assunto.

Como parte da campanha, a secretaria distribuiu, até o momento, 14.050 flyers e 104 cartazes sobre doação de órgãos para empresas, entidades e instituições parceiras.

Entre elas estão igrejas, líderes comunitários, o Shopping Cidade, Mercado Central, CBTU, Polícia Rodoviária, América Futebol Clube, Vilma Alimentos, Transamigos, Senai Betim, Casa Sol, Associações (APABB),  Cassi, Construtoras, Epamig, Funed,  Sindicatos e Viação Sertaneja.

Sobre as parcerias entre diferentes instituições e a SES-MG, a referência técnica do Núcleo Estadual de Mobilização Social, Susan Prado Aun, explica que os parceiros recebem os materiais da campanha e organizam pequenas ações de conscientização.

“Muitos fazem palestras, outros cafés, ou mesmo divulgam nossas campanhas em sua mídia social, nos colocando à disposição todos os espaços possíveis. Ou seja, eles adequam a campanha à sua realidade, o que faz com que a ação de conscientização seja potencializada”, afirma. 

A empresa Transamigos, que presta serviços de engenharia e mineração, foi uma das parcerias da SES-MG na campanha.  De acordo com a técnica em segurança do trabalho da empresa, Mariana Paula Miranda, foi realizado um bate papo com os funcionários sobre a doação de órgãos, além da disponibilização do material informativo encaminhado pela SES-MG.

“Muita gente não tem informações básicas sobre o assunto e, por isso, percebemos que no momento da abordagem e da divulgação do tema, alguns ficaram receosos. Mas quando explicamos sobre a importância da doação de órgãos e que é só deixar a família informada, as pessoas ficaram mais tranquilas e interessadas no assunto”, explica. 

Além da parceria com empresas e instituições parceiras, também foi distribuído material da campanha para as cinco Regionais de Saúde do estado onde existem unidades de Captação e Distribuição de Órgãos e Tecidos (CNCDOs).

São elas Governador Valadares, Juiz de Fora, Montes Claros, Pouso Alegre e Uberlândia. Alguns prédios de instituições parceiras também receberam iluminação verde ao longo do mês de setembro.

Como parte da campanha também foram afixados cartazes em estações de metrô e espaços da Cidade Administrativa. O Grupo de Teatro Saúde em Cena também participou da campanha, com a apresentação do espetáculo “Gostas da Paixão” na Escola Estadual Professora Henriqueta Lisboa no Bairro Jardim Vitória, em Belo Horizonte.

Além das ações com instituições e distribuição de materiais, a SES-MG realizou, durante todo o mês de setembro, uma série de publicações nas redes sociais (Facebook e Instagram) e também no Blog da Saúde MG. Também foi criado o hotsite Doe Órgãos, com informações sobre a doação de órgãos.

 

Ação na Cidade Administrativa

Para fechar a campanha, a SES-MG promoveu nesta quarta-feira (27/9), Dia Nacional de Doação de Órgãos, uma ação junto aos servidores da Cidade Administrativa, com entrega de material informativo, adesivos, panfletos e botons.

A atividade é resultado de uma parceria com o MG Transplantes, banda do Corpo de Bombeiros, Doutores Palhaços e Associação dos Pacientes Receptores Doadores e Transplantados de Órgãos e Tecidos (Amparus).

De acordo com o coordenador do complexo MG Transplantes, Omar Lopes Cançado Júnior, ações de mobilização como esta são importantes para incentivar as pessoas a conversarem sobre o assunto e tirarem suas dúvidas.

“A doação de órgãos só existe se a família permitir, por isso precisamos explicar para as pessoas que a doação é segura e só ocorre após o diagnóstico definitivo de morte encefálica. Além disso, a doação não deixa nenhuma marca visível no corpo”, explica.

Já para Álvaro Antônio Trevizani, membro da Amparus, é fundamental que toda a população receba o máximo de informações sobre a doação de órgãos, incluindo aqueles que precisam passar por um transplante.

“A nossa missão básica é a conscientização, porque sabemos que ainda há falta de conhecimento. Há quatro anos realizei um transplante de rim e hoje fazemos um trabalho de conscientização para pacientes renais, sobre o que é receber e doar órgãos”, explica.

Para ser um doador, o passo principal é informar o desejo à família. Isto porque, após o diagnóstico de morte encefálica, a família é consultada e orientada sobre o processo de doação de órgãos.

Esta conversa, geralmente, é realizada pelo próprio médico do paciente, pelo médico da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ou pelos membros da equipe de captação, que prestam todas as informações que a família necessitar.

Notícias relacionadas

20/06/2012

Pela proposta apresentada pelo Governo de Minas, a gratificação complementar (GC) concedida a auxiliares de apoio, técnico operacional, enfermeiros e analistas de gestão e assistência à saúde da Fhemig aumentará de 20,7% para 30% a partir de agosto deste ano.

01/10/2015

Somente este ano houve um aumento de 15% no número de drogarias conveniadas. São mais de 3.700 farmácias em 660 municípios em Minas Gerais. De acordo com Emílio Ferraz, administrador da Rede Aceito, prestadora do serviço, o crescimento da rede traz comodidade para o servidor público.

Governador Fernando Pimentel entrega 214 carros para a saúde e 25 ambulâncias a 179 municípios mineiros
02/06/2017

Durante o evento, Fernando Pimentel destacou que os veículos são extremamente importantes para a melhoria do atendimento à população, principalmente em municípios menores e que não dispõem de hospitais ou centros de saúde mais complexos.