Você está aqui:

Notícias

Samu completa um mês de atendimentos no Centro-Oeste

Samu completa um mês de atendimentos no Centro-Oeste do estado

Serviço atende a 54 municípios e beneficia cerca de 1,2 milhão de habitantes. No período foram feitos 2.413 deslocamentos

 

Nesta quinta-feira (6/7), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) completa um mês de funcionamento na Região Ampliada de Saúde (RAS) Oeste de Minas Gerais. Para a implantação, o Governo do Estado de Minas Gerais investiu R$ 7 milhões, e outros R$ 3,9 milhões para a aquisição de ambulâncias que prestam atendimentos a população.

Conforme a coordenadora de Urgência e Emergência da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), Kelly Barros Fortini, a regionalização do serviço possibilita a organização dos atendimentos de urgência e emergência não só na região, mas em todo o estado.

Antes da implantação do Samu 192 na região, apenas o município de Itaúna possuía o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, estando as demais cidades até então, sem o serviço, explica a coordenadora. 

“O Samu 192 constitui um dos principais pilares da Rede de Urgência e Emergência do Estado de Minas Gerais, uma vez que é de essencial importância no atendimento primário às urgências de forma resolutiva, eficaz e segura, evitando a evolução de quadros graves, inclusive que poderiam levar á óbito o paciente”, ressalta Kelly.

Ainda segundo ela, o Samu funciona 24 horas por dia e é de amplo acesso à população, se efetivando não só no atendimento assistencial de maneira direta, com envio de veículos tripulados por equipes capacitadas, mas também, por meio da prestação de orientações médicas por telefone.

“Com o seu funcionamento na região Oeste, os atendimentos móveis de urgência, passaram a contar com a disponibilidade de ambulâncias, devidamente equipadas para o atendimento pré-hospitalar, proporcionando atendimento eficaz e seguro a toda a população”, explica a coordenadora.

O serviço, que é gerenciado pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde da Região Ampliada Oeste (CIS-URG), conta com 31 ambulâncias, que estão distribuídas em 23 municípios, e uma Central de Regulação das Urgências, sediada em Divinópolis.

A equipe é composta por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e condutores socorristas, dando suporte a 54 cidades que integram a região Centro-Oeste.

Segundo o secretário executivo do CIS-URG e coordenador do Samu Oeste, José Márcio Zanardi, os atendimentos realizados pelas equipes que compõem o serviço destacam uma nova realidade nos atendimentos às urgências e emergências na região.

“Os atendimentos pré-hospitalares e transferências que o Samu disponibiliza possibilitam mais chances de vida aqueles que necessitam. Todos os dados assistenciais demonstram uma nova realidade no sistema de urgência e emergência do Centro-Oeste”, diz Zanardi.

“Isso pode ser avaliado nas orientações feitas pelos médicos reguladores por telefone ou, até mesmo, nas ocorrências assistidas pelas equipes das Unidades de Suporte Avançado (USA) e Unidades de Suporte Básico (USB), espalhadas por todo território Oeste”, completa o secretário executivo.

 

Atendimentos

Em um mês de funcionamento, a Central de Regulação das Urgências recebeu 4.902 ligações que resultaram em orientações médicas; 1.114 em orientações não médicas; e 2.413 atendimentos com deslocamento de ambulâncias, sendo 501 por meio da Unidade de Suporte Avançado (USA) e 1.192 por meio da Unidade de Suporte Básico (USB).

Ao todo foram registradas 12.767 ligações originadas de toda Região Ampliada de Saúde (RAS) Oeste.

Os atendimentos mais recorrentes foram por causas clínicas, sendo um total de 1.417. Além desses, ocorreram também 602 atendimentos por causas traumáticas, 20 por causas pediátricas, 45 por causas psiquiátricas e 49 por causas obstétricas.

Entre os atendimentos realizados está o parto da jovem Natália Cristina, de 26 anos, moradora de Formiga, que estava grávida de 37 semanas e entrou em trabalho de parto em casa. Familiares acionaram a Central de Regulação de Urgências, que enviaram uma unidade até o local. Por ter a bolsa amniótica rompida, o parto foi realizado pela equipe do Samu dentro da casa da paciente.

“Em todo momento do parto a equipe me tranquilizou, me senti acolhida sendo atendida por uma equipe capacitada e pronta para atender urgência e emergência. Sabia que se o parto fosse feito naquele momento eu estaria em boas mãos. E foi assim, minha filha Ana Laura nasceu nas mãos de anjos do SAMU”, conta Natália.

Ainda segundo a jovem, se não fosse o Samu não saberia como agir. “Não sabíamos para quem ligar. Talvez os bombeiros. Graças a Deus o serviço existe e está funcionando. Eu e minha filha somos a prova do pleno funcionamento desse serviço”, diz Natália.

Após o parto, a paciente e seu bebê foram encaminhados para a Santa Casa de Misericórdia de Formiga para continuação do atendimento médico.

Para o médico regulador do Samu Oeste, Aurelino Rocha Barbosa Júnior, atendimentos como esse tornam o serviço essencial para as situações de urgências na região.

“É uma experiência motivadora e inspiradora, no sentido de que o serviço tem exercido uma importância muito grande para a vida das pessoas. Por ser um atendimento pré-hospitalar vai, de certa forma, trazer um alívio para as portas de urgência e emergência de todo Centro-Oeste”, relata o médico.

O condutor socorrista do Samu, Willian Xavier, destaca que trabalhar no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência é muito gratificante.

“Estamos todos a serviço da vida. Poder ajudar as pessoas é, de fato, um diferencial dentro de um trabalho. A minha sensação é de realização, sempre tive vontade de trabalhar no SAMU e estar no serviço hoje é a realização de um sonho”, afirma Xavier.

Entre os atendimentos que já realizou, o condutor não se esquece de um, o socorro de uma criança de 12 dias. “Tivemos que fazer um transporte muito bem elaborado, colocar o bebê na incubadora e a fragilidade desse atendimento me marcou muito”, recorda.

 

Samu Centro-Oeste

As ambulâncias que fazem parte do Samu são 24 do tipo Unidades de Suporte Básico (USB), tripuladas por um técnico de enfermagem e um condutor socorrista, e sete do tipo Unidades de Suporte Avançado (USA), tripuladas por um médico, um enfermeiro e um condutor socorrista.

A escolha dos 23 municípios que contam com essas unidades foi baseada em estudos de viabilidade de pontos estratégicos de atendimento, de forma que o tempo da chamada recebida pelo 192 e a chegada ao local do atendimento demore no máximo 40 minutos em qualquer ponto da região.

Em Divinópolis estão disponíveis três ambulâncias, sendo duas USB e uma USA. As outras unidades estão distribuídas nos municípios de Arcos, Bambuí, Bom Despacho, Campo Belo, Candeias, Carmópolis, Cláudio, Dores do Indaiá, Formiga, Itaguara, Itapecerica, Itaúna, Lagoa da Prata, Luz, Martinho Campos, Nova Serrana, Oliveira, Pará de Minas, Pimenta, Pitangui, Santo Antônio do Amparo e Santo Antônio do Monte.

 

O Samu192 deverá ser acionado nos casos de:

• Dores no peito de aparecimento súbito;

• Situações de intoxicação e envenenamento;

• Queimaduras graves;

• Trabalhos de parto com risco de morte da mãe ou do feto;

• Problemas respiratórios graves;

• Crises convulsivas;

• Acidentes graves (trânsito, choque elétrico, atropelamento, afogamento);

• Tentativa de suicídio;

• Perda de consciência (desmaio);

• Sangramento/ hemorragia;

• Na transferência inter-hospitalar de doentes com risco de morte.

Notícias relacionadas

Governador Fernando Pimentel entrega ambulâncias para os municípios de Contagem e Betim
26/06/2017

As ambulâncias (Unidades de Suporte Básico -USB) serão destinadas à renovação da frota e reserva técnica, fortalecendo a rede de Urgência e Emergência de Minas Gerais e garantindo mais segurança e qualidade no atendimento médico aos mineiros.O investimento com a compra foi de R$ 1,57 milhão.

Ipsemg ofertará atendimento de hemodinâmica no serviço próprio
03/07/2017

Na unidade de hemodinâmica do Hgip poderão ser realizados procedimentos terapêuticos como angioplastia coronária, da carótida e de outros vasos periféricos, correção de defeitos congênitos e valvares, implantes de marca-passos de forma minimamente invasiva, além de exames diagnósticos.

Hgip ganha serviço de hemodinâmica
05/07/2017

No setor passam a ser realizados procedimentos como angioplastia coronária, da carótida e de outros vasos periféricos, implantes de marca-passos de forma minimamente invasiva, além de exames complementares de diagnóstico. O investimento do Governo do Estado e do Ipsemg foi de mais de R$ 2 milhões.