Você está aqui:

Notícias

Combate à proliferação do Aedes deve ser reforçado

Cuidados para evitar a proliferação do Aedes devem ser reforçados

Secretaria de Estado de Saúde orienta sobre a importância dos cuidados a serem tomados no enfrentamento ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya

 

O período entre dezembro e fevereiro é, para muitos, a época do ano favorita para relaxar e recarregar as energias. Alguns optam por arrumar as malas e viajar. Outros, já preferem aproveitar para descansar em casa e recarregar as energias.

Seja qual for a sua escolha neste ano, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas (SES-MG), reforça a importância dos cuidados que precisam ser tomados para evitar a proliferação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

De acordo Viviane Carneiro, referência técnica do Programa Estadual de Controle das Doenças Transmitidas pelo Aedes da SES-MG, a melhor maneira de prevenir essas doenças é eliminando os possíveis criadouros do Aedes.

Por isso, é importante ter alguns cuidados como, por exemplo, manter o lixo em recipiente fechado, disponibilizando-o para recolhimento pela Limpeza Urbana, jamais descartar qualquer material que possa acumular água no quintais, ruas ou lotes vagos, manter a caixa d’água sempre limpa e totalmente tampada, manter calhas livres de entupimentos para evitar represamento de água nas mesmas, eliminar vasos de plantas e bebedouros de animais e manter as piscinas devidamente tratadas e tampadas.

Com relação ao descarte de latas, caixas de leite e similares, é recomendável, ainda, retirar o fundo para evitar o acúmulo de água.

 

Basta eliminar a água dos recipientes?

Viviane Carneiro faz um alerta quanto aos objetos que podem acumular água: “Como os ovos são depositados nas paredes do criadouro, bem próximo à superfície da água, é importante lavar, com escova, as paredes dos recipientes onde o ovo pode permanecer grudado por até 2 anos”.

 

Ambientes fechados

Ainda segundo a referência técnica do Programa Estadual de Controle das Doenças Transmitidas pelo Aedes da SES-MG, quem permanece mais tempo em ambientes fechados, como escritórios e salas de aula, também precisa reforçar os cuidados para prevenção, já que o mosquito está muito bem adaptado aos diferentes ambientes.

“Para reduzir a possibilidade da transmissão em ambientes fechados, o Ministério da Saúde recomenda o uso individual de proteção de repelentes domésticos em aerossol, espiral ou vaporizador, além da instalação de telas em janelas e portas”, explica Viviane Carneiro.  

Vale reforçar que os inseticidas considerados “naturais” à base de citronela, andiroba, óleo de cravo, entre outros, não possuem comprovação de eficácia nem a aprovação pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia, quando os mosquitos são mais ativos, também proporcionam alguma proteção às picadas e podem ser adotadas principalmente durante surtos.

Já para quem dorme durante o dia, como bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos, os mosquiteiros também podem ser utilizados para auxiliar na proteção.

 

#MitoOuVerdade: faça o teste no Blog da Saúde MG e confira se você realmente sabe tudo sobre o Aedes aegypti.

Cuidados para evitar a proliferação do Aedes devem ser reforçados

Notícias relacionadas

Campanha Nacional de Multivacinação vai até dia 22 de setembro
14/09/2017

Em Minas Gerais, será ofertada também a vacina contra febre amarela para as pessoas a partir de 9 meses de idade até 59 anos, que ainda não se vacinaram. O Ministério da Saúde preconiza pelo menos uma dose da vacina da febre amarela ao longo da vida.

Reconhecido pela relevância do trabalho que vem sendo prestado desde 2011, quando foi criado, e por ser o serviço com maior número de crianças assistidas no Brasil, o Sait participou da elaboração do I Consenso Nacional na Assistência às Crianças Traqueostomizadas.
21/09/2017

Reconhecido pela relevância do trabalho que vem sendo prestado desde 2011, quando foi criado, e por ser o serviço com maior número de crianças assistidas no Brasil, o Sait participou da elaboração do I Consenso Nacional na Assistência às Crianças Traqueostomizadas.

Modernizar o processo de trabalho é um dos desafios da Vigilância em Saúde
27/09/2017

O primeiro debate do dia, no sub eixo 1, contou com a apresentação do diretor adjunto da Anvisa, Pedro Ivo Sebba Ramalho, que trouxe um panorama histórico da Vigilância em Saúde, no Brasil e no mundo, propondo reflexões acerca do marco geral, os desafios e propostas dos serviços no âmbito do SUS.