Você está aqui:

Notícias

Minas Gerais volta a registrar saldo positivo de emprego

 Após queda em setembro, Minas Gerais volta a registrar saldo positivo de emprego

De janeiro a outubro deste ano, houve a geração de 53.921 postos de trabalho com carteira assinada

 

Minas Gerais voltou a apresentar saldo positivo de empregos em outubro, com a geração de 4.509 postos de trabalho, após um resultado negativo de 4.291 vagas no mês anterior, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho. 

Em outubro do ano passado, o saldo de postos de trabalho no Estado havia registrado a perda de 5.889 vagas.

De janeiro a outubro deste ano, houve a geração de 53.921 empregos com carteira assinada. No Brasil, o Caged de outubro também apresentou a geração de 76.599 postos de trabalho, o que representa uma expansão de 0,20% em relação ao mês anterior.

O saldo de empregos em outubro em Minas Gerais é resultado da admissão de 132.920 trabalhadores no mercado formal de trabalho e o desligamento de 128.411. Segundo análise do Observatório do Trabalho da Secretaria de Estado do Trabalho e Desenvolvimento Social (Sedese), em relação ao saldo positivo de emprego de outros estados, Minas Gerais ficou em 8º lugar no ranking, atrás de Alagoas (16.939), São Paulo (11.349), Pernambuco (8.718), Santa Catarina (8.611), Rio Grande do Sul (8.084), Sergipe (5.491) e Paraná (4.749).

Por setores da atividade econômica, a maior geração de empregos formais em Minas ficou com o comércio (4.129), seguida pelos serviços (2.738), construção civil (1.888), indústria de transformação (1.182) e administração pública (44).

Houve retração na geração de postos de trabalho com carteira assinada nos setores de agropecuária (-5.278), serviços industriais e de utilidade pública (-98) e extrativo mineral (-96).

No segmento do comércio, o subsetor comércio varejista foi responsável pela criação de 3.632 postos de trabalho. Em relação a serviços, o resultado positivo se deve, principalmente, ao bom desempenho dos subsetores do comércio e administração de imóveis, valores imobiliários e serviços técnicos (1.890), serviços médicos, odontológicos e veterinários (512), transportes e comunicações (170), instituições de crédito, seguros e capitalização (94) e ensino (93).

Já o resultado negativo do setor agropecuário foi puxado para baixo pelo cultivo de café (-3.693), cultivo de plantas de lavoura temporária (-923) e a horticultura (-366).

Notícias relacionadas

Controladoria-Geral do Estado e SES-MG promovem curso de Responsabilização de Pessoas Jurídicas
10/10/2017

O encontro teve como objetivo ampliar a compreensão das servidoras e servidores da SES-MG sobre as interações com pessoas jurídicas, como fornecedores de bens e serviços e empresas que solicitam autorizações e licenças de modo a contribuir com a apuração e transparência do trabalho.

CGE implanta Rede Observatório da Despesa Pública em municípios mineiros
11/10/2017

O sistema tem como finalidade também atuar como “malha fina” da despesa pública, com o objetivo de garantir a correta aplicação dos recursos. Ao trazer o projeto federal para Minas, a CGE se comprometeu a replicar o observatório para os municípios, no projeto chamado ODP municipal.

Fernando Pimentel defende encontro de contas imediato para ressarcimento de perdas fiscais da lei Kandir
16/10/2017

Segundo estimativas do Estado, a União tem que repassar ao Estado cerca de R$ 135 bilhões, valor relativo às perdas com a Lei Kandir nos últimos 20 anos. Criada em 1996 pelo governo federal, a Lei retirou o ICMS incidente sobre produtos exportados, penalizando os estados.