Você está aqui:

Notícias

Escolas podem agendar exibições coletivas de documentário ‘Nunca me Sonharam’ gratuitamente por plataforma online

 

Escolas podem agendar exibições coletivas de documentário ‘Nunca me Sonharam’ gratuitamente por plataforma online

Filme provoca reflexão sobre o ensino médio na rede pública no Brasil e conta com a participação da secretária Macaé Evaristo

Na próxima quarta-feira (7/6), o documentário “Nunca me sonharam”, que estreia nos cinemas de São Paulo e Rio de Janeiro, será disponibilizado gratuitamente na plataforma Videocamp.

Apresentando um panorama do ensino médio nas escolas públicas do Brasil, o filme poderá ser assistido, até 7 de junho (quarta-feira), em primeira mão, por educadores de todo o país que se cadastrarem na plataforma.

Além disso, escolas, organizações não governamentais, universidades e outras instituições interessadas em exibir o projeto também já podem fazer o agendamento pela Videocamp.

Dirigido por Cacau Rhoden e produzido por Maria Farinha Filmes e Instituto Unibanco, o documentário percorreu, por dois anos, as cinco regiões do país e traz relatos de estudantes, professores e especialistas em educação, dentre eles a secretária de Estado de Educação de Minas Gerais, Macaé Evaristo, que fala sobre gestão escolar e juventudes brasileiras.

“A minha maior contribuição foi tentar desmistificar uma série de narrativas que buscam desqualificar as escolas públicas e seus profissionais e, também, desfazer uma narrativa de um suposto desinteresse dos jovens pela educação”, conta a secretária.

Macaé foi convidada a participar em 2015, ano em que se iniciaram as ocupações estudantis em São Paulo e que a SEE lançava a campanha Virada Educação Minas Gerais (VEM), que priorizou o diálogo com a juventude por meio de rodas de conversa e o retorno dos estudantes à escola.

"No começo da gestão constatamos uma distorção entre a idade e o ano de escolaridade entre jovens de 15 a 17 anos da rede estadual e, também, um índice de evasão escolar nessa mesma faixa etária. Neste contexto, a nossa opção foi fazer uma política considerando a participação estudantil, que é importante no processo educativo, pois é preciso reconhecer e valorizar os saberes que eles trazem para o ambiente escolar”, explica.

A secretária convida a professores, educandos e gestores escolares a assistirem e promoverem, em diversos espaços, exibições do filme, que aborda os desafios do presente, as expectativas para o futuro e os sonhos de quem vive a realidade do ensino médio nas escolas públicas.

“É um documentário contundente e que chama a atenção do país para a responsabilidade do setor público e da sociedade brasileira para com a juventude. Precisamos aproveitar essa oportunidade para produzir mais reflexões tanto para os jovens quanto para os educadores sobre as suas práticas, pois percebemos que, mesmo em condições adversas, professores, diretores e estudantes estão construindo experiências educativas exitosas, humanistas e formadoras”, destaca.

Para assistirem ao filme antecipadamente, os professores devem acessar o endereço www.videocamp.com/nms_educadores e se cadastrarem como educadores. O agendamento para exibição do filme pode ser feito em www.videocamp.com.

Confira, a seguir, o trailer do filme:

 

Notícias relacionadas

Editora Uemg está com edital aberto para publicação de livros
09/04/2018

O edital de 2018 já foi publicado e abre prazo para submissão de novas propostas até o dia 15 de abril; É direcionado, exclusivamente, a docentes ativos da universidade e a alunos que concluíram um dos mestrados da instituição há até dois anos. Iniciativas como esta já resultaram em 18 títulos.

Circuito Liberdade recebe a 3ª edição do Canjerê – festival de cultura quilombola de Minas Gerais
07/05/2018

Mais de 600 quilombolas de diversas comunidades do estado se reúnem na capital mineira com o objetivo de dar visibilidade à cultura tradicional e chamar a atenção para a luta dos quilombolas pelo direito à terra e à vida digna.

Galeria de Arte BDMG Cultural abre edital de ocupação pública
23/05/2018

Serão selecionados seis projetos de ocupação da galeria de arte. A escolha das propostas será realizada por um comissão julgadora independente, formada por profissionais de artes visuais. Uma das novidades desta edição é o novo valor do reembolso, que passa a ser de R$5 mil.