Você está aqui:

Notícias

Estado reconhece polo moveleiro da Região Metropolitana

Governo do Estado reconhece polo moveleiro da Região Metropolitana de BH

Novo Arranjo Produtivo Local reúne cerca de 500 empresas do segmento em 34 cidades da RMBH, que geram aproximadamente 10 mil empregos

 

Fabricantes, lojistas e o Sindicato das Indústrias do Mobiliário e Artefatos de Madeira no Estado de Minas Gerais (Sindimov-MG) celebram o reconhecimento, por parte do Governo de Minas Gerais, do polo moveleiro da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

A solenidade acontece nesta terça-feira (28/11), às 19h, no Museu de Artes e Ofícios, em Belo Horizonte. A atividade contará com a presença do secretário extraordinário de Desenvolvimento Integrado e Fóruns Regionais (Seedif), Wadson Ribeiro, além lideranças do setor moveleiro do estado, empresários e representantes do Sindimov-MG.

O reconhecimento do setor como polo moveleiro fortalece ainda mais a indústria da madeira no estado e impulsiona este segmento fundamental como propulsor da economia mineira, que sempre desempenhou papel importante no desenvolvimento regional.

Wadson Ribeiro afirma que o setor de móveis em Minas Gerais é uma cadeia importante e reconhecida. “Notadamente temos uma grande eficiência produtiva nesta cadeia em Uberlândia, no Território Norte, e em Ubá, no Território Mata. Reconhecemos hoje mais este polo produtivo, agora em Belo Horizonte, que reúne centenas de empresas e milhares trabalhadores em sua base – o que evidencia a sua importância na economia mineira”, diz.

A indústria de móveis da Região Metropolitana de Belo Horizonte é formada por cerca de 500 empresas instaladas nas 34 cidades da Grande BH, que geram quase 10 mil postos de trabalho no setor. Em Minas Gerais são cerca de 3 mil indústrias, que geram 37 mil empregos. A produção estadual é de 60 milhões de peças, que movimentam R$ 6,7 bilhões.

A presidente do Sindimov-MG, entidade que representa e congrega o setor, Iara Gomes Abade, destaca a importância deste reconhecimento. “As empresas da Região Metropolitana de Belo Horizonte produzem móveis elaborados, customizados e com detalhes mais sofisticados, por isso mesmo não são indústrias de produção intensiva, mas de produtos exclusivos e com alto valor agregado. Tratam-se de indústrias com características produtivas menores, porém extremamente mais complexas. O reconhecimento como polo vai atrair o olhar dos mais diversos segmentos públicos e privados, permitindo ações que valorizem o diferencial competitivo destas indústrias”, avalia.

 

Reconhecimentos

Estes polos, que se organizam como Arranjo Produtivo Local (APL), são compostos por um conjunto de empresas de um segmento produtivo, localizadas na mesma região, trabalhando de forma cooperada e sinérgica. O ato simboliza o reconhecimento, por parte do Estado, da importância do setor para a economia local.

Com a produção organizada a partir de regiões, a estruturação do APL não só cria uma identidade para o grupo de empresas mas também propicia uma série de benefícios. O segmento passa a participar de políticas públicas dos governos federal e estadual, desenvolvidas especificamente para os Arranjos Produtivos, como editais de financiamento e linhas de crédito subsidiadas

Minas Gerais possui atualmente 39 APLs reconhecidos pelo Governo do Estado de Minas Gerais. Entre os mais recentes estão o APL do Biscoito em São Tiago (na região Central do estado) e os APLs da Cerveja Artesanal de Juiz de Fora (Território Mata) e da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

 

Governo do Estado reconhece polo moveleiro da Região Metropolitana de BH

Notícias relacionadas

Fernando Pimentel recebe prefeitos de cidades históricas mineiras

Presidida pelo prefeito de Conceição do Mato Dentro, José Fernando Aparecido de Oliveira, a Associação congrega os prefeitos de cidades que têm tombamento federal ou estadual. O objetivo é preservar o patrimônio cultural e histórico e desenvolver as potencialidades turísticas dessas localidades.

Comércio aproveita oportunidades econômicas geradas com os Jogos do Interior de Minas

A geração de renda extra e o desenvolvimento econômico por meio das competições, inclusive, são pontos sempre defendidos e reforçados pelo Governo, por meio da Secretaria de Estado de Esportes (Seesp), que organiza a disputa, junto a representantes dos municípios nas reuniões técnica da competição.

Produção de mel é alternativa de renda no interior de Minas Gerais

Hoje, o Brasil produz uma média de 37 mil toneladas de mel por ano, sendo que mais da metade deste volume é exportado, rendendo ao país cerca de US$ 80 milhões. Deste total, Minas Gerais produz cerca de cinco mil toneladas, sendo o quarto maior estado produtor, segundo dados de 2015 do IBGE.