Você está aqui:

Notícias

Governo de Minas Gerais lança a sétima fase do projeto de integração aérea

Foto: Divulgação/Codemig

O Voe Minas Gerais é uma iniciativa de fomento ao transporte aéreo regional

 

O Governo de Minas Gerais, por meio da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) e da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), inicia uma nova fase do projeto Voe Minas Gerais. A cidade de Nanuque, no Vale do Mucuri, passa a ser atendida.

Guaxupé, no Sudoeste do Estado, está em fase de conclusão dos trâmites exigidos para inclusão da rota ao projeto e será adicionada posteriormente. A cidade de Ubá, na Zona da Mata, não apresentou procura e média de ocupação suficientes para sustentar a manutenção da rota, tendo sido retirada nesta nova etapa.

Nanuque, próxima da divisa de Minas Gerais com a Bahia e o Espírito Santo, tem quatro voos de ligação com a capital, via Teófilo Otoni. Às segundas e quartas à tarde, a aeronave deixa BH com destino ao Vale do Mucuri, para retornar às terças e quintas, pela manhã. O voo tem duração total de duas horas e quinze minutos. O percurso terrestre exige, em média, dez horas. As passagens são comercializadas a R$ 700,00.

A também limítrofe Guaxupé, na divisa com o Estado de São Paulo, terá seis voos semanais de ligação com o Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, passando pela vizinha Passos. Os voos acontecerão às segundas, quartas e sextas, saindo da capital pela manhã e retornando à tarde.

A rota será realizada em duas horas, enquanto o trajeto de carro leva em torno de seis horas. Os bilhetes serão vendidos por R$ 530,00 (segunda e quarta) e R$ 550,00 (sexta). O município será incluído assim que finalizados os procedimentos necessários à habilitação da cidade para inserção no Voe Minas gerais.

Além dos novos destinos, outros aspectos da malha foram reformulados. Um mesmo voo pousará em Viçosa, Manhuaçu e Caratinga, otimizando o atendimento à região Leste, que passa a ter voos de ligação com Belo Horizonte em todos os dias úteis. O atendimento a Poços de Caldas, Varginha e Pouso Alegre também foi consolidado em uma mesma rota, ligando a região Sul à capital com voos em três dias da semana.

O Voe Minas Gerais é uma iniciativa de fomento ao transporte aéreo regional que tem como fundamento a flexibilidade das rotas, que são desenvolvidas e adaptadas para atender às necessidades locais. Um dos objetivos principais do Voe Minas Gerais é estimular os negócios e o turismo, aproveitando a infraestrutura aeroportuária pública já disponível no Estado.

As passagens podem ser obtidas pelo site do projeto, www.voeminasgerais.com.br, ou pelo aplicativo MG App (disponível gratuitamente na Play Store e na Apple Store).

Voe Minas Gerais

O Voe Minas Gerais foi lançado em agosto de 2016. Os voos são realizados em aeronaves Cessna Grand Caravan 208 B, que transportam até nove passageiros. O valor das passagens varia de R$ 130 a R$ 800, de acordo com a distância percorrida.

Os 17 municípios atendidos atualmente são: Almenara, Araçuaí, Araxá, Belo Horizonte, Caratinga, Diamantina, Guaxupé, Manhuaçu, Nanuque, Paracatu, Passos, Patos de Minas, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Teófilo Otoni, Varginha e Viçosa.

O projeto busca fomentar os negócios locais, desenvolver o turismo, integrar as diversas regiões do estado e facilitar o deslocamento da população entre o interior e a capital, Belo Horizonte, permitindo que tenham acesso rápido a eventos e serviços disponíveis.

Para Minas Gerais, que possui uma área total de quase 600 mil quilômetros quadrados, o investimento na regionalização por meio do transporte aéreo é estratégico para atender a meta de redução das desigualdades nos 17 territórios de desenvolvimento estabelecidos pelo Governo do Estado.

Notícias relacionadas

Fernando Pimentel recebe prefeitos de cidades históricas mineiras

Presidida pelo prefeito de Conceição do Mato Dentro, José Fernando Aparecido de Oliveira, a Associação congrega os prefeitos de cidades que têm tombamento federal ou estadual. O objetivo é preservar o patrimônio cultural e histórico e desenvolver as potencialidades turísticas dessas localidades.

Comércio aproveita oportunidades econômicas geradas com os Jogos do Interior de Minas

A geração de renda extra e o desenvolvimento econômico por meio das competições, inclusive, são pontos sempre defendidos e reforçados pelo Governo, por meio da Secretaria de Estado de Esportes (Seesp), que organiza a disputa, junto a representantes dos municípios nas reuniões técnica da competição.

Produção de mel é alternativa de renda no interior de Minas Gerais

Hoje, o Brasil produz uma média de 37 mil toneladas de mel por ano, sendo que mais da metade deste volume é exportado, rendendo ao país cerca de US$ 80 milhões. Deste total, Minas Gerais produz cerca de cinco mil toneladas, sendo o quarto maior estado produtor, segundo dados de 2015 do IBGE.