Você está aqui:

Notícias

Parceria busca tecnologias na produção de alimentos

 Parceria busca aprimorar tecnologias de apoio à qualidade na produção de alimentos

Protocolo de intenções entre IMA e Senai prevê, inicialmente, ações nas áreas de laboratórios e de suporte às agroindústrias

 

O Governo de Minas Gerais, por meio do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), órgão vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) assinou, nesta quinta-feira (31/8), com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), via Centro de Inovação e Tecnologia (CIT), protocolo de intenções para o desenvolvimento conjunto de projetos, consultorias e treinamentos em prol da indústria e do agronegócio mineiros.

O IMA e o Centro de Inovação e Tecnologia identificaram, inicialmente, cinco áreas onde essa parceria poderá começar a ser colocada em prática, todas relacionadas ao aumento de conformidade da agroindústria mineira à legislação em vigor. São exemplos: o treinamento de responsáveis técnicos; a elaboração de software de suporte aos programas de autocontrole das indústrias; um sistema para verificação de atendimento às normas de rotulagem; a implantação das boas práticas de fabricação; e a produção de materiais instrucionais para as indústrias.

 

Agroindústrias

O diretor-geral do IMA, Marcílio de Sousa Magalhães, lembra que o Instituto possui cerca de 206 agroindústrias cadastradas, que trabalham com um variado leque de produtos de origem animal como mel e produtos apícolas, carne, leite, ovos, pescados e derivados destes produtos.

“A parceria do IMA com o Senai / CIT abre um novo horizonte para estes estabelecimentos, que poderão aprimorar o controle de qualidade dos seus produtos a partir do momento em que agregarem novas tecnologias ao seu modo de produção. Eles terão treinamento para os responsáveis técnicos e suporte em boas práticas de fabricação, adequando seus produtos não apenas à legislação, mas ao gosto do consumidor cada vez mais exigente quanto à qualidade e origem dos alimentos”, pondera.

“Mais que um órgão fiscalizador, o IMA vem assumindo um perfil colaborativo buscando parcerias com instituições que contribuam para a qualificação cada vez maior da produção de alimentos em Minas”, disse.

O diretor do CIT José Policarpo Gonçalves de Abreu ressalta a importância de Minas Gerais no agronegócio nacional, responsável por 25% da produção de leite, 15% dos abates de aves e 8% das exportações de carne suína do país. “Ações para aumentar a competitividade do agronegócio mineiro como as propostas nesse protocolo de intenções certamente terão reflexos em nível nacional”, afirmou.

 O secretário-adjunto da Seapa, Amarildo Kalil, ressaltou no evento a importância da parceria entre entidades públicas e privadas para o desenvolvimento econômico, e salientou como fundamental a aplicação das novas tecnologias para a aprimoração dos processos de produção e do produto final.

 

Laboratórios

Marcílio Magalhães relata que o IMA possui laboratórios qualificados para a realização de análises laboratoriais e diagnósticos de apoio a diversos segmentos da atividade agropecuária, atuando na área de sanidade animal e vegetal e de inspeção de produtos de origem animal. Esses laboratórios possuem, inclusive, acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) para a realização de diagnósticos de doenças que podem acometer os rebanhos como por exemplo febre aftosa, raiva e peste suína clássica e diagnósticos de pragas e análise de resíduos de agrotóxicos em hortícolas.

A documentação exigida pelo IMA para o credenciamento de laboratórios já foi entregue pelo Senai, incluindo análises físico-químicas e microbiológicas em alimentos. Com isso, o IMA terá mais um laboratório apto a atender ao serviço de inspeção em Minas, naqueles casos onde forem detectadas inconformidades nas amostras coletadas nas agroindústrias.  E o Senai irá aprimorar o atendimento às indústrias auxiliando-as no que diz respeito à qualidade e ao controle da sua produção dentro que previsto pela legislação. 

 

Calibragem de equipamentos

Em outra frente de trabalho, o Senai irá promover a calibragem dos equipamentos utilizados nos laboratórios do IMA como balanças e termômetros, de forma a atender a norma ISO 17.025. O Senai possui um moderno e avançado laboratório de calibração, acreditado pelo Inmetro no grupo de serviço de massa, temperatura e umidade e irá utilizar sua tecnologia para aferir os equipamentos do instituto.

O protocolo de intenções entre o IMA e o CIT prevê ainda a cooperação em auditorias internas entre ambas as instituições. Com isso, estarão melhor preparados quando da realização de auditorias externas realizadas por organismos de acreditação.

O diretor do  Senai, José Policarpo de Abreu, lembra que a indústria de alimentos e bebidas é a que gera mais empregos no estado, com cerca de 6.400 estabelecimentos que geram mais de 160 mil postos de trabalho. “Esses números justificam os investimentos da Fiemg na implantação do Instituto Senai de Tecnologia em Alimentos e Bebidas”, ponderou.
 

Notícias relacionadas

Circuito Mineiro de Compras Sociais capacita agricultores familiares a vender para supermercados
27/09/2017

Podem participar do Circuito Mineiro de Compras Sociais todos os negócios enquadrados como “pequenos” (MEI, Microempresa, empresa de pequeno porte, cooperativas de pequeno porte e agricultores familiares), ou seja, empreendimentos com faturamento anual de até 3,6 milhões de reais.

Programa Queijo Minas Artesanal é referência para outros estados
29/09/2017

As visitas foram feitas em regiões oficialmente reconhecidas como produtoras do Queijo Minas Artesanal. A primeira parada foi em municípios da Serra da Canastra, onde técnicos das duas instituições do sul do país visitaram propriedades, além de um centro de maturação de queijo.

Minas Gerais avança no ranking nacional de criação de peixes
03/10/2017

Em 2016, a produção de peixes no Estado foi de 32,8 mil toneladas. Um crescimento de 48,4% em relação a 2015, quando o estado produziu 22,1 mil toneladas. De acordo com o IBGE, a produção mineira representa 6,5% do total no país e gerou, no ano passado, R$ 211 milhões.