Você está aqui:

Notícias

Com apoio do Estado, filme vence Festival de Brasília

Com apoio do Governo de Minas Gerais, filme vence Festival de Brasília

Dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans, trabalho angariou os prêmios de Melhor Filme, Ator, Montagem e Trilha Sonora pelo Júri Oficial

 

Inspirado no conto homônimo de os Dublinenses, de James Joyce, o longa Arábia foi o grande vencedor do 50º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, cujo encerramento aconteceu neste domingo (23/9). Dirigido por Affonso Uchoa e João Dumans, a produção recebeu o Troféu Candango de Melhor Filme, Ator, Montagem e Trilha Sonora pelo Júri Oficial. O título também faturou a categoria de Melhor Filme pelo Prêmio Abraccine, da Associação Brasileira de Críticos de Cinema. A produção contou com recursos do Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Estado de Cultura.

Arábia traça um paralelo entre dois desconhecidos – o operário Cristiano, vivido por Aristides de Sousa, vencedor do Candango de Melhor Ator, e André, interpretado por Murilo Caliari, um garoto que acha o diário perdido do trabalhador. A história desse “encontro” entre realidades distintas é permeada por uma narrativa cheia de flashbacks que buscam retratar a história de Cristiano.

O premiado longa já foi exibido no Festival de Roterdã, na Holanda, e chega nesta semana ao Festival de San Sebastian, na Espanha, cotado para receber mais prêmios. A produção foi contemplada no edital Filme em Minas, da Secretaria de Estado de Cultura. Desde 2015 o Governo de Minas Gerais já investiu R$ 42 milhões no fomento e incentivo das produções audiovisuais mineiras, por meio do Programa de Desenvolvimento do Audiovisual Mineiro (Prodam), e apoiou ao todo 187 projetos.

“Esse reconhecimento é mais um exemplo de como as produções mineiras vem conquistando um patamar de qualidade. O Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Cultura e da Codemig, vem continuamente aportando recursos nesses trabalhos e fortalecendo a produção local, em sintonia com a política audiovisual da Ancine (Agência Nacional do Cinema)”, informa Gilvan Rodrigues, coordenador do Prodam.

Outros dois editais voltados ao audiovisual serão lançados ainda neste semestre. Um para desenvolvimento de roteiro, no valor de R$ 1,5 milhão, e outro para produção e finalização de longas-metragens, no valor de R$ 16,5 milhões, em parceria com a Ancine.

 

Programa de Desenvolvimento do Audiovisual Mineiro

Lançado em maio de 2016, o Prodam tem o objetivo de viabilizar políticas públicas para o audiovisual por meio de parcerias entre órgãos e entidades da administração pública direta e indireta de Minas Gerais, municípios e União, além de instituições privadas.

O Prodam vem direcionando recursos para o segmento audiovisual mineiro, distribuídos em editais destinados a roteiros, produção e finalização de longas-metragens para cinema e séries para televisão, além de mostras de cinema e cineclubes, entre outros.

Para estimular todos os ângulos de ação do segmento, o Prodam unifica, no campo do audiovisual, além de instituições privadas, as secretarias de Estado de Cultura, de Educação e de Turismo.

Notícias relacionadas

Maioria dos espaços do Circuito Liberdade funciona normalmente no feriado
11/10/2017

A Praça da Liberdade e os entornos do Memorial Minas Gerais Vale estão ocupados com escultura de bichos infláveis, em grande escala, na exposição “Jardins Móveis”, idealizada pelos artistas Rosana Ricalde e Felipe Barbosa. Confeccionadas em plástico, as peças ficam camufladas na paisagem.

 Exposição inédita "Instante Infinito" é destaque no BDMG Cultural
11/10/2017

A exposição, planejada especialmente para ocupar a galeria da instituição e o entorno do edifício, parte de uma estrutura que cruza três conceitos presentes nos projetos individuais dos artistas: o desejo, a liberdade e a construção.

Território Norte recebe encontro de batuques em comunidade quilombola
13/10/2017

A partir das histórias de vida de seus membros, sua relação com o rio, o encontro com outros batuques, as músicas compartilhadas por diferentes grupos, o documentário visa discutir a produção de memória que se compartilha pela música no rio São Francisco.