Você está aqui:

Notícias

DataViva incorpora dados da Saúde em sua nova versão

DataViva incorpora dados da Saúde em sua nova versão

Plataforma que traz informações sobre planejamento de estados, municípios e do país é um dos maiores bancos de dados do mundo. No Governo de Minas está sob gestão do Indi

 

Já está ativa a nova versão do DataViva, plataforma aberta de visualização de dados públicos nacionais. A grande novidade da ferramenta, nesta fase recém-lançada, é a incorporação de dados de saúde, fornecidos pelo DataSUS, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (SUS).

O DataViva 3.1 apresenta informações anuais dos estabelecimentos de saúde brasileiros, de 2008 a 2015, com dados tratados, trabalhados e disponíveis em gráficos. Também foram atualizados os dados já disponíveis e incorporadas novas variáveis sobre comércio internacional e trabalho e emprego. O projeto integra o Indi - Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior de Minas Gerais.

Ferramenta que disponibiliza dados socioeconômicos nacionais estruturados em mais de um bilhão de possibilidades de visualizações, o DataViva foi desenvolvido em parceria entre o Governo de Minas Gerais e o MIT Media Lab, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

“O DataViva é um dos maiores bancos de dados para inovação no mundo, com informações para o planejamento dos municípios, dos estados e do país. Agora a ferramenta traz mais informações, sobre saúde, e com elas pode-se planejar melhor a vida do município, os investimentos e particularmente investimentos na área de inovação. Queremos que o brasileiro aprenda cada dia mais a usar informações qualificadas na condução das políticas públicas”, afirma o presidente da Fapemig, Evaldo Vilela.

 

DataSUS: Informações de saúde no DataViva

O Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS) surgiu em 1991 e tem estrutura de armazenamento de dados sobre saúde de toda população brasileira. O sistema conta com três grandes conjuntos de dados: procedimentos ambulatoriais; procedimentos hospitalares; e o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (Cnes).

“Os dois primeiros são conjuntos de dados autodeclarados, informados pelos hospitais. São dados muito grandes e bagunçados, então optamos, pela representatividade e pela praticidade, em trabalhar com o Cnes. É talvez a base mais complexa que já tivemos, por ser a maior: ela tem em torno de 500 gigabytes”, conta o assessor técnico do Núcleo DataViva, do Indi, Elton Freitas.

As principais variáveis são estabelecimentos de saúde, equipamentos, leitos e profissionais. Em relação aos estabelecimentos, o DataViva traz informações sobre a localização, o tipo (se é uma clínica, um hospital ou um posto de saúde, por exemplo) e o que ele está atendendo. A plataforma apresenta ainda dados dos equipamentos de saúde (aparelhos de raio x, ultrassom etc), informações sobre o tipo de leito hospitalar (leitos para parto ou UTI, entre outros) e sobre os profissionais de saúde que trabalham nesses estabelecimentos.

"Para o usuário final, esse dado é muito complicado e muitas vezes difícil de retirar do Ministério da Saúde. O DataViva disponibiliza para gestores públicos que trabalham com saúde dados já tratados e de fácil acesso. As visualizações do site facilitam o entendimento do cenário atual da saúde e permitem um poder de análise muito maior”, diz Elton Freitas.

 

Novos dados, gráficos e API

A versão atualizada do DataViva apresenta novos conteúdos de bases já disponíveis na plataforma. Dentro de comércio internacional, foram incluídos dados sobre portos – sobre a saída de produtos para exportação e os destinos das vendas. Também foram exploradas informações sobre trabalho e emprego, com a inclusão de dados de etnia, sexo e grau de escolaridade do trabalhador.

Outro conjunto de dados incorporados é relativo às empresas: o número de empregados; se ela adota ou não o simples; e sobre a natureza jurídica das empresas – se são públicas, federais, municipais ou estaduais. Agora é possível mapear o número de micro e pequenas empresas no país, e as novas informações permitem mais detalhamento para o usuário.

Com os novos dados, o banco da plataforma ultrapassou 1 terabyte. Foi adotado, inclusive, um novo banco de dados para armazenamento e atualizado o modelo da API.

“Agora temos um caminho mais organizado e usuários podem acessar a API e fazer suas aplicações. É um trabalho que torna a plataforma mais aberta do que ela já é”, explica Elton Freitas.

As visualizações também passaram por alterações. Esteticamente, os gráficos parecem os mesmos, mas a equipe trabalhou na modularização do código, para facilitar o entendimento e a replicação para as demais estruturas do site. O DataViva é uma ferramenta aberta e livre, e o código e a documentação da nova API estão disponíveis no Github do projeto.

Nos últimos anos, sob gestão da Fapemig, o DataViva passou por um período de recuperação, com reestruturação da equipe e da plataforma, mais focada no público nacional. Os gráficos foram originalmente desenvolvidos por equipe do MIT Media Lab, e a equipe brasileira passou por um processo de capacitação e absorção de conhecimento.

“Trabalhamos com estudantes de graduação e mestrandos, e foi um desafio capacitar o trabalho com esses ferramentais de ponta de construção de visualização, em biblioteca D3plus”, afirma Elton Freitas.

 

DataViva

O DataViva, recentemente encabeçada pelo Indi, fornece dados socioeconômicos de todos os municípios brasileiros. A ferramenta é aberta e livre, e disponibiliza informações oficiais sobre exportações, atividades econômicas, educação, saúde e ocupações em 11 tipos de visualizações.

A plataforma objetiva contribuir para a implementação de políticas públicas, de investimentos públicos e privados e para a realização de estudos acadêmicos. Para isso, trabalha com bases de dados do Ministério do Trabalho e Previdência Social (MTPS), Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Ministério da Saúde e Ministério da Educação (MEC). Para navegar, acesse dataviva.info.

Notícias relacionadas

 Hemominas oferece atendimento multidisciplinar ao paciente com doenças do sangue em Minas Gerais
03/10/2017

A partir de princípios como respeito e valorização do ser humano, em compromisso com a melhoria contínua para produzir saúde com excelência, a instituição atende cerca de 8.000 pacientes em tratamento nos ambulatórios existentes em suas várias unidades no estado.

 Governo do Estado reforça o cuidado permanente e inclusivo a todas mulheres
04/10/2017

O trabalho de conscientização é focado no autocuidado com visitas periódicas ao médico, prática regular de atividades físicas, boa alimentação e prevenção de doenças, como o câncer de mama e do colo do útero. Para ter acesso ao exame, a mulher procurar uma unidade básica de saúde mais próxima.

Minas Gerais recebe 126 médicos intercambistas do Programa Mais Médicos
05/10/2017

Minas Gerais conta hoje com cerca de 1.320 médicos cooperados do Programa Mais Médicos, atuando em aproximadamente 500 municípios. Ao todo, são 5.062 equipes de Saúde da Família implantadas no estado, o que representa uma cobertura de 74% do território mineiro.