Você está aqui:

Notícias

Epamig ILCT conquista prêmio nacional em pesquisa sobre propriedades medicinais do queijo

Epamig ILCT conquista prêmio nacional em pesquisa sobre propriedades medicinais do queijo

Corante bioativo aplicado do queijo prato ajuda a prevenir doenças e lesões oculares, como a catarata e a degeneração macular

 

Uma pesquisa que identificou a aplicação de corante bioativo no queijo prato para prevenir doenças oculares, feita na Epamig Instituto de Laticínios Cândido Tostes, conquistou o primeiro lugar no 11º Prêmio Saúde 2017, da revista Saúde e da Editora Abril. O estudo venceu na categoria Tecnologia de Alimentos entre diversos trabalhos de todo o país.

A solenidade de premiação aconteceu essa semana, em São Paulo. O chefe do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Cláudio Furtado Soares, recebeu o troféu, representando a equipe de pesquisadores Denise Sobral, Renata Costa, Junio de Paula, Vanessa Teodoro (UFJF), Gisela Machado e Elisângela Miguel.

O trabalho foi avaliado por comissão julgadora do prêmio, formada por profissionais especializados na área de tecnologia de alimentos e também por voto popular no site da revista.

"O Prêmio Saúde/Nutrição representa muito para toda a equipe. Temos o compromisso de aplicar o conhecimento para a melhoria da qualidade de vida da sociedade e, nesse sentido, a pesquisa exige que estejamos sempre voltados a identificar as demandas e necessidades das pessoas e de que forma podemos contribuir para isso", ressalta a pesquisadora Denise Sobral.

 

O estudo

De acordo com os estudos, o queijo prato pode ser mais um aliado na prevenção de doenças e lesões oculares, como a catarata e a degeneração macular, que chega a causar cegueira em pessoas com mais de 65 anos.

A utilização de corantes bioativos na fabricação do produto, como a luteína em substituição ao urucum, foi testada pela Epamig Instituto de Laticínios Cândido Tostes com resultados positivos.

"Substituímos o corante de urucum, tradicionalmente utilizado durante a fabricação do queijo prato, por corante luteína, com propriedades antioxidantes que evita essas doenças. Os resultados apontaram a absorção de 6mg de luteína em cada 100g de queijo, quantidade necessária para uma dieta diária de reposição dessa substância no organismo; e o melhor, sem alterar o sabor do produto", revela a pesquisadora, que desenvolveu o projeto durante três anos.

Denise explica que o queijo prato é o segundo mais consumido no Brasil e a utilização da luteína pode trazer benefícios à saúde, sem alterar os hábitos da população.

A luteína é um dos principais pigmentos maculares contidos na retina humana, sendo responsável por duas funções fundamentais: proteger a mácula contra o estresse oxidativo e filtrar a luz azul de alta energia, melhorando a acuidade visual.

Por meio desses mecanismos, acredita-se que a substância possa contribuir para a diminuição do risco de ocorrência de catarata e de degeneração macular relacionada à idade.

Como a luteína não é sintetizada pelo organismo humano, é necessário que seja suprida por meio da alimentação. A dose mínima de luteína a ser ingerida para que tenha efeitos benéficos à saúde é de 6mg diárias.

Notícias relacionadas

IMA habilita engenheiros agrônomos aptos a contribuir com a prevenção e controle de pragas nas lavouras
27/06/2017

Entre os temas tratados estão o monitoramento, levantamento e mapeamento da praga em condições de campo, identificação, coleta, acondicionamento e transporte da amostra para análise. Cerca de 70 engenheiros agrônomos de Minas Gerais e de todo o país participam do treinamento.

Ações do Governo do Estado em pequenas propriedades incentivam produção sustentável
27/06/2017

Estima-se que o crescimento demográfico mundial elevará a população para 10 bilhões de habitantes em 2050. Os números são um alerta para que importantes países na produção agrícola estejam mais bem estruturados e preparados para atender às crescentes demandas interna e externa.

 Parceria busca aprimorar tecnologias de apoio à qualidade na produção de alimentos
01/09/2017

O IMA e o Centro de Inovação e Tecnologia identificaram, inicialmente, cinco áreas onde essa parceria poderá começar a ser colocada em prática, todas relacionadas ao aumento de conformidade da agroindústria mineira à legislação em vigor.